sexta-feira, 19 de agosto de 2016

O Abutre - Uma análise filosófica do filme


Por Odair José da Silva e Thalísia Aniceto 

Uma das atividades nas aulas de Filosofia neste bimestre foi a análise do filme O Abutre. Após apresentar o filme para as turmas do 1º e 2º Ano Médio, solicitei que os mesmos respondessem algumas questões relacionadas ao filme e o conteúdo trabalhado em sala de aula. O que segue são as perguntas que adaptei para eles e as análise da aluna Thalísia Aniceto do 1º Ano.

1. Um retrato quase satírico sobre ambição corporativa, o sonho americano, e no grande espectro, sobre a pior face do capitalismo. Podemos ver isso no Brasil? 

Sim, nos dias atuas o que mais vemos são violências, pessoas passando por cima uma das outras, sonhos sendo destruídos por pessoas que querem apenas oportunidades para elas independente do que isso pode provocar. Assassinatos, roubos, atentados, são acontecimentos mais frequentes de nossa sociedade e está bem longe de ter um fim pois não temos autoridades competentes que possa colocar um limite em atitudes erradas e encorajar atitudes que melhore nosso dia a dia.

2. “ Você pode encontrar tudo que quiser se procurar o suficiente” – Analise a frase de Louis, o personagem principal. 

O personagem principal se torna um homem focado nas coisas que deseja e não desiste até que consegue o que quer e assim querendo cada vez mais, mas ele ao mesmo tempo não respeita os limites que cada atitude tem a certo ponto e não pensa nas consequências de cada registro feito por sua câmera. Devemos agir sim como pensamos, mas refletindo em tudo o que pode acontecer se passarmos dos limites e gravarmos o que não deve.

3. A impressão crescente é realmente de que esta não é uma narrativa realista, e sim um sinistro e sombrio comentário político e satírico do sonho americano de sucesso financeiro e ascensão social. Como você analisa essa questão? 

Infelizmente nos dias de hoje as pessoas pensam muito em si mesmos e esquecem que elas não são o centro de tudo. Muitos indivíduos sentem prazer nas desgraças que acontecem na vida de quem vive ao seu redor. Com o pensamento que devemos crescer cada vez mais esquecemos de ter consciência sobre o que é certo e errado dos nossos atos. Nos interessamos e procuramos saber mais sobre coisas negativas que acontecem e acabamos nem vendo as poucas coisas boas que ainda acontecem em nosso país. Portanto devemos pensar mais antes de cada ação e refletirmos se devemos continuar ou não com tal atitude.

4. Algumas indagações e reflexões surgem ao terminar de assistir ao filme. O que realmente é notícia? Qual o limite para se chegar a uma notícia?

Cada dia que passa os jornalistas estão cada vez mais incessíveis em suas filmagens e noticiais, não se preocupam se estão exagerando com imagens fortes e como as famílias da vítima como de todo o mundo irá se sentir com tal reportagem. Claro que precisamos de notícias sobre o que está acontecendo na nossa sociedade, mas não precisa focar tanto nas atrocidades que a cada dia toma mais o espaço das notícias positivas que nos passe esperança que a violência do nosso país não será maior que a tranquilidade. Percebemos que tudo na vida tem um limite que não devemos ultrapassar e com as notícias não é diferente pois devemos pensar em mil detalhes como exemplo se tal imagem não é muito forte sobre o acontecido, qual será a repercussão da reportagem, etc.

5. Até onde vai o direito de um repórter fotografar (ou filmar) as estranhas de um acidentado, ou o rosto deformado de alguém que recebeu uma faca, ou o corpo já moribundo de um assaltante? E por que este tipo de conteúdo fascina tanto as pessoas? 

Os repórteres devem primeiramente procurar permissão para filmar independentemente qual assunto for, não devem passar do limite e gravar cenas de pessoas ensanguentadas vivas ou mortas. Deveriam pensar em como a família da pessoa acidentada ira se sentir com as seguintes imagens registradas. Infelizmente a tragédia das pessoas ainda chamam muito a atenção da sociedade que vivemos atualmente e as notícias que mais desejam acompanhar são as mais tristes e complicadas.

6. Por que este conteúdo chocante (assassinatos, assaltos, acidentes, incêndios) é tão consumido assim pelos espectadores? Os espectadores são vítimas de um jornalismo selvagem que somente busca audiência? Ou este mesmo jornalismo é refém de um público que só busca assistir atrocidades? O que move este mercado, que lucra muito em nossas cidades? 

Podemos perceber claramente que existe um jogo de interesses dos dois lados, encontramos uma grande necessidade na nossa sociedade sobre todos os tipos de notícias seja ela a mais tranquila como uma promoção em uma loja ou um grande acidente com muitas mortes. O jornalismo pensa principalmente em ter grande audiência para ganhar cada vez melhor e muitas vezes sem pensar se deveriam mostrar tão detalhadamente tal notícia. Neste tipo de mercado todos são culpados pois estimulam cada vez mais esse show de horror.

7. Faça uma reflexão sobre ética e sobre o contexto atual de nossa sociedade, a chamada sociedade da espetacularização. 

No mundo de hoje o que mais presenciamos são pessoas com sonhos de crescerem na vida a todo custo mesmo que seja necessário passar por cima de outras pessoas que também tem seus sonhos. As pessoas esquecem que devem ter cada um seu caráter próprio e começam a querer causa ideias positivas sobre si até mesmo com os piores atos que podemos imaginar e na sociedade que vivemos essas atitudes são aceitas e encorajadas pois a cada dia que passa é cada um por si e por seu sucesso.

8. A fotografia de "O Abutre" chama bastante atenção, já que a trama é na maior parte filmada pela noite. Percebe-se então um submundo, uma atmosfera sombria, que contrasta bastante com os dias ensolarados típicos de filmes de comédia ou de amor. Aqui a realidade é dark, e a fotografia faz questões de deixar isto bem claro. Desenvolva uma reflexão sobre a sua impressão sobre a fotografia do filme. 

O filme deixa bem claro os acontecimentos mais fortes que acontecem durante as noites, imagens fortes são mostradas sobre a escuridão do submundo e as tragédias ali acontecidas. Podemos perceber como as pessoas podem chegar a ter atos assustadores e impróprias para conseguir chegar aonde quer, seja com atitudes simples ou não. A sociedade não se preocupa mais com os limites das coisas que fazem para o próximo, pois pensam apenas nelas mesmos e como tal ato vai ajudar a si próprio. É lamentável vermos como o mundo está indo de mal a pior com o aumento da violência e a falta de autoridade para controlar tais atos que prejudicam cada dia a mais nossa sociedade em geral.

Texto: Odair José da Silva
Análise: Thalísia Aniceto - 1º Ano Escola Q. I. Cáceres, MT.

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Júri Simulado do 7º Ano da Escola Q. I.


Por Odair José da Silva

O conteúdo de História sobre o período das Cruzadas trouxe-me a possibilidade de trabalhar um júri simulado com a turma do 7º ano. A partir daí nasceu em mim o desejo de superar os desafios e trabalhar com a turma. Comuniquei a Coordenadora Sandra e conversei com os alunos. Dividi a turma em quatro grupos de quatro alunos cada onde, os grupos 1 e 3 defenderiam Jerusalém para os cristãos e os grupos 2 e 4 defenderiam Jerusalém para os muçulmanos.

A missão deles eram pesquisar os principais acontecimentos envolvendo os conflitos entre cristãos e muçulmanos e elencar motivos para que a posse de Jerusalém ficasse com eles. Para decidir a questão foram escolhidos os jurados que deveriam observar as justificativas de cada grupo e dar o seu voto. Ensaiamos em algumas aulas e nos preparamos para a apresentação.

Nesta quarta-feira 25/05 realizamos o júri simulado com a participação da turma do 1º Ano Médio com a Professora Salete Olegair e a Professora Ycaruelc. Com o apoio da Direção e Coordenação da escola foi possível realizar um bom trabalho. A turma, dedicada e empenhada no projeto surpreendeu pela dinâmica nas apresentações. Foi um aprendizado e tanto. Agradeço a colaboração de todos no projeto e, principalmente, a Livia Paker pelas fotos.

Texto: Prof. Odair José.
Fotos: Livia Paker